MARTIM-PESCADOR

Padrão

Wladimir Saldanha*

MARTIM-PESCADOR

Assim o submerso e o rasante.
Ambas: a esquivança e a rapina.
E tanto barbatanas como asas.
Nem navio, nem avião: os dois

num só. Queríamos o Martim-
pescador, ou o peixe que ora sobe
em sua posse; sua pose, porém
igualmente preteri-la, sim:

a desnecessidade dela… Queríamos
o Pégaso, queríamos a Hidra, queríamos
o Sonho: temos uma outra mão.

No mundo, a alguém que for
Martim, a algum pescador,
Faltará um traço de união.

***
Soneto do livro LUME CARDUME CHAMA (Editora 7Letras, 2013), p.38.

***

poeta-Wladimir-Saldanha*Wladimir Saldanha nasceu em 1977, Salvador, cidade onde reside. Poeta e contista, é autor, dentre outras obras, de AS CULPAS DO POEMA (Editora Scortecci, 2012, vencedor do X Prêmio Literário Asabeça); DESTA ÁGUA NÃO BEBEREI (contos, inédito – menção do Prêmio Sesc de Literatura 2011/2012) e mais dois livros de poemas, ambos lançados pela Editora 7Letras: LUME CARDUME CHAMA (2013) e CULPE O VENTO (2014). Em 2015 nos presenteou com mais um livro de poemas: CACAU INVENTADO (Editora Mondrongo).

 

Deixe uma resposta