Estive morto

Padrão

Paulo Briguet*

Um perfil de Albert Schweitzer, o homem que trocou tudo para dedicar a vida ao próximo

Albert-Schweitzer-1

“De que aproveitará ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma?” Em algum momento, essas palavras de Jesus devem ter ressoado profundamente na consciência de Albert Schweitzer (1875-1965). Aos trinta anos, Schweitzer era um famoso escritor, teólogo, filósofo, ministro evangélico e músico. Considerado um dos maiores intérpretes da obra de Johann Sebastian Bach para órgão, o jovem alsaciano poderia tranquilamente gozar uma vida de conforto, prazer e sucesso. Mas Albert possuía um “defeito”: era incapaz de mentir a si mesmo. Em 13 de outubro de 1905, uma sexta-feira, enviou diversas cartas comunicando a familiares e amigos que começaria a estudar medicina para, depois de formado, construir um hospital e trabalhar na selva africana.

O mínimo que você precisa saber sobre Olavo de Carvalho

Padrão

José Carlos Zamboni*

Olavo de Carvalho

Um bom ponto de partida para compreender o pensamento de Olavo de Carvalho (foto) é o seu conceito de “mentalidade revolucionária”. Depois de quase mil e quinhentos anos de crença no Paraíso celeste, entre o final da Idade Antiga e o baixo Medievo, o Ocidente começou a realizar uma lenta e progressiva transmutação conceitual, em que a ideia de paraíso se deslocava do Céu para a Terra, mas trazendo em sua bagagem os antigos atributos de lugar perfeito e sem mal. “Desde há cinco ou seis séculos, no entanto”, disse o filósofo no artigo “Mensagem de Natal 2007” (Jornal do Brasil, 21/12/2007), “muitos homens têm tentado persuadir a humanidade de que eles não apenas podem antever muito claramente aquele estado de perfeição, mas conhecem os precisos caminhos sociais, culturais, políticos e históricos que devem ser percorridos para chegar a ele”.

Releitura da filosofia

Padrão

Flavio Morgenstern*

A filosofia é a mãe e rainha de todas as ciências. Uma ciência averigua dados recortados da realidade, tanto nas ciências hard, as ciências naturais quanto nas ciências soft, as tais ciências humanas.

Um físico, por exemplo, recorta da realidade os dados relativos à matéria, suas partículas e seu movimento, e com tal recorte constrói suas teorias. Um sociólogo analisa os fenômenos sociais – isto é, não-individuais – e os interpreta buscando uma coerência interna.

Pra não dizer que não falei dos beagles

Padrão

Gustavo Nogy*

beagleKarl Marx já ameaçava, na 11ª Tese sobre Feuerbach: “Os filósofos se limitaram a interpretar o mundo. Cabe-lhes agora transformá-lo”. A história é conhecida: bancarrota econômica, gulags, genocídio, FFLCH. Tudo porque deram ouvidos a um alemão que, cansado de contemplações, resolveu trocar a teoria pela práxis e a política pela força bruta. Não é preciso ser mais do que intelectualmente honesto para perceber que a proposta deu com os estudantes burros n’água, e as decepções com o socialismo real – coelho inesgotável de tantas cartolas – não passam de um modo diferente de se justificar a esperança no socialismo tout court.

Empreendedores de sucesso

Padrão

Nerildo Bezerra*

No mundo dos negócios, é necessário mais que dinheiro e sorte para concretizar os sonhos de sucesso do negócio próprio. Para quem decide tocar uma atividade empresarial, o dinheiro é importante e sorte também ajuda muito, porém, é na garra, na determinação e na vontade de vencer que se revelam as condições fundamentais do empreendedor de sucesso.

empreendedorismo