RECOMEÇO

Padrão

Claudio Sousa Pereira

E depois de marejado
               os olhos
respirar
respirar profundamente
expandindo o peito
desarqueando os ombros
               e lentamente
erguer o cenho
— na confiança do porvir —
desajoelhar
levantar
                   e seguir.

 

***

SOBRE O AUTOR, diz o poeta JOÃO FILHO*: Claudio Sousa Pereira pertence à linhagem poético-espiritual do chamado neossimbolismo brasileiro. E espiritual diz tudo sobre o fazer literário desse jovem poeta, que alia uma inteligência sensível, o rigor formal, a contemplação filosófica e amorosa-metafísica do mundo além da musicalidade do verso. Das formas fixas escolhidas por ele a mais cultivada é o soneto. Porém, ao trabalhar a terça rima em poemas de fôlegos mais longos — “O caminhante” e “O sobrevivente”, para ficarmos em dois exemplos — Claudio Sousa Pereira realiza-se de modo exemplar, demonstrando capacidade narrativa-reflexiva e dramática. Consciente de sua faina poética, ele sabe o risco que corre ao dar às suas composições um tom passadista, sem, com isso, incorrer em anacronismos. Com paciência e lucidez Claudio Sousa Pereira prepara o seu primeiro single: Sentida música.

*João Filho é também. Publicou “Encarniçado” (2004), Três Sibilas (2008) “Ao longo da linha amarela” (2009), A Dimensão Necessária (2014), premiado em 2015 pela Biblioteca Nacional como o melhor livro de poemas do Brasil, “Dicionário Amoroso de Salvador” (2014). Participou de várias antologias no Brasil e no exterior, entre elas “Travessias Singulares – Pais e filhos” (2008) e “Geração Zero Zero: fricções em rede” (2011).

Deixe uma resposta